Outras Raças

escrito por Fabi Estiga nesta data  21. agosto 2008 23:22

(Dando continuidade ao tópico anterior) Estava pensando quais raças poderiam hoje, bater de frente com os Shetlands e Borders dentro do Agility e cheguei a conclusão que depende muito mais dos condutores que dos cães. Condutores e criadores.

Para qualquer atividade, trabalho, diversão ou beleza, se faz necessária a mão humana escolhendo os melhores exemplares para cada atividade.

Umas semanas atrás fiquei sabendo que o Mauro (Meyer) deu uma de suas Borders. A Pepsi, que virou lisa era uma Border Collie, filha do Ozzy com a Amy, uma cadelinha bem pequena, Midi, preta e branca.

A história dela é de muitas voltas. Comprada juntamente com sua irmã pelo Mauro e seu vizinho a então Pepsi era uma interrogação, sem entender o cachorro resolveu dar ela pro Mauro que já tinha mais experiência com a raça. Seguindo a nomenclatura Simpsom a Pepsi virou Lisa.

Depois que o Mauro a adotou caiu na vida do agility, ia ser muito boa, porém não era o negócio dela. A Pepsi Lisa agora vive numa fazenda e o que seu novo dono não entende é como o Mauro deu pra ele uma cadela tão boa de pastoreio. Segundo o fazendeiro bastou soltar com as ovelhas, a bichinha, que ela automaticamente foi trabalhar como se tivesse feito aquilo a vida inteira.

Voltando... um Border de linhagem de pastoreio cai no Agility e se adapta perfeitamente, pra ele é trabalho, porém na minha visão é talvez a única no Brasil. Eu já vi cães que fazem pastoreio começarem a fazer agility e é incrível. Um criador, Claudio acho, aqui do RS fez algumas aulas conosco levou uma cadela de pastoreio que tinha muita capacidade para fazer agility e que pastoreava, segundo ele como poucos. O Nésto cachorro que compete com o Marcos hoje, é criação dele. Nésto é um caso de pais de Pastoreio. A Sandy minha cadela também é. Agora como fazer raças, tipo, Schnauzer, Jack Russel, Poodle, Cocker, Schipperke entre outras, se tornarem competitivas e atrativas em grande escala para os agilitistas? O Jack Russel hoje é uma realidade, que pode em pouco tempo se tornar solidamente a terceira raça em provas. Digo, solidamente, no sentido de que em qualquer prova de nível nacional tenham 10 exemplares inscritos. Pode se tornar, não quer dizer que vá.

Já tivemos mais Schnauzers, mais Poodles, temos quatro Cockers, agora o Schipperke está aparecendo com a Carol, não sei quando o Ty da Fernanda vai pra pista e se o da Marta já treina, mas além de colocar os cachorros em pista o cruzamento desses cães de agility vão gerar cães para o Agility.

Existe hoje um mercado de Borders e Shetlands para Agility, haverá algum dia um mercado para outras raças? Será que existem criadores se dedicando à isso?

Sinceramente, acho que não.



Tags: , , , ,

Comentários

Fabi Estiga

Mais, nas redes sociais.




Agility Esporte - divertimento acima de tudo. Se você faz agility e não se diverte é porque está fazendo errado. Acima de qualquer coisa respeite seu cão, lembre-se que ele nunca erra, não tem culpa e não pediu para praticar o esporte. Assim o bem estar de ambas as partes é primordial sempre. "Praticar é preciso, divertir-se é necessário!"