Não é caro, não é fácil

escrito por Fabi Estiga nesta data  22. julho 2013 19:52

Adoro madeira, já falei isso antes aqui. Gosto de árvores também, mas gosto mais de mandeira. Não curto compensados e aglomerados. A textura da madeira é única, não tem dois pedaços de táboa iguais. podem ser parecidos, porém sem padrão.

Talvez seja isso. A falta de padrão, impossibilidade de reproduzir.

Num mundo onde o rústico é ladeado em prol da mesmerização eu pego minhas ferramentas e vou pra rua fazer obstáculos de agility. Os primeiros fiz com serrote, pregos e martelo. Esses últimos com serra, furadeira, lixadeira, parafusos e porcas.

Evoluí, mas sem perder o padrão rústico. A imagem acima não me deixa mentir, furos desalinhados. Confesso que poderia ser mais cuidadoso, mas e dá pra aguentar a espera? Ansiedade nível BLASTER pra fazer um cachorro pular. O segundo jogo, sem pintura ainda, já tem furos mais alinhados.

"Na falta de algo melhor, nunca me faltou coragem".

Não é caro fazer saltos de madeira. Calculando por alto, creio que um par de asas deve custar algo em torno de 30 reais. O problema é ter as ferramentas certas. Sem elas fica bem complicado. Lembro que as primeiras asas que fiz foram um sacrifício. Um dia pra mal e porcamente colocar de pé algo que não ficava bem no lugar sempre. Broca de alvenaria pra furar madeira. Serrote. Martelo em parafusos, mas é possível.

Com algo mais tecnológico e não tão caro dá pra fazer em 90 minutos o que antes levaria quatro horas. Sem lixar, nem pintar.



Tags:

Geral

Fabi Estiga

Mais, nas redes sociais.




Agility Esporte - divertimento acima de tudo. Se você faz agility e não se diverte é porque está fazendo errado. Acima de qualquer coisa respeite seu cão, lembre-se que ele nunca erra, não tem culpa e não pediu para praticar o esporte. Assim o bem estar de ambas as partes é primordial sempre. "Praticar é preciso, divertir-se é necessário!"